Sky Lounge no The Pearl – Marrakech, Marrocos

13114940525_3ede7db113_h
Ao escrever sobre o The Pearl não sabia muito bem como classificá-lo se um sitio para dormir, para comer ou as duas coisas. A minha experiência no The Pearl estava relacionada com a reunião da empresa e esteve concentrada no seu terraço com uma excelente vista para a Medina, para a Mesquita e para o Atlas. Estivémos aqui algum tempo a relaxar antes de começar a trabalhar, sentados nos seus confortáveis sofás a invejar os que tinham vestido o fato de banho e disfrutavam da piscina.
When writing about The Pearl I did not quite know how to classify it if a place to sleep, to eat, or both. My experience at The Pearl was related to the company meeting and was concentrated on its terrace with a great view over the Medina, the Mosque and the Atlas. We were here some time to relax before starting to work, sitting in their comfy sofas to envy those who were wearing swimsuits and indulging the pool.

Continue a ler “Sky Lounge no The Pearl – Marrakech, Marrocos”

PRAÇA JEMAA EL-FNA – MARRAKECH, MARROCOS

Posso abrir mil guias sobre Marrocos que todos começam por recomendar um passeio pela Medina que tenha a Praça Jemaa El-Fnaa como ponto de partida. Agitada e colorida não posso dizer que é das praças mais bonitas que conheci, o seu encanto não é a nível de arquitectura mas sim pela vida que tem e é por isso que a UNESCO a quer proteger.
E se durante o dia se vê uma multidão de gente é só esperar que anoiteça para realmente entender que o verdadeiro entretenimento em Marrakech não é estar sentado num sofá a ver televisão mas aquí, a assistir a qualquer dos “espectáculos” noturnos que oferece: contadores de histórias, músicos, etc..
I can open a thousand of guides on Morocco that the first they recommend everyone is to take a walk through the Medina that has the Jemaa El Fna Square as a starting point. Bustling and colorful I can not say it’s the most beautiful square I have seen, it’s charm is not on an architecture perspective but for the life it has and that is why UNESCO wants to protect it.
And if during the day you see a crowd of people just wait for nightfall to really understand the true entertainment in Marrakech is not sitting on a couch watching TV but here, to attend any of the nightly shows” that offered by storytellers, musicians, etc…

Continue a ler “PRAÇA JEMAA EL-FNA – MARRAKECH, MARROCOS”

MEDINA DE MARRAKESH, MARROCOS

 Hoje conhecemos…a Medina de Marrakesh, ou seja a cidade fortificada.

 

 

O seu ponto de maior agitação é sem dúvida a Praça de Djmaa-el-Fna, uma grande zona de comércio onde vemos vários vendedores ambulantes e animadores em busca do som da moeda a cair nas suas caixas.  Aqui vende-se desde fruta a especiarias, frutos secos entre outras coisas.

Á volta da praça alguns restaurantes permitem aos turistas e locais com mais possibilidades comer de forma mais tranquila, tendo esplanadas nos pisos superiores com uma excelente vista.

 

Mas devo dizer que o principal encanto da Medina não está própriamente nessa praça mas sim na sua teia de estreitas ruas apinhadas de comércio, há de tudo, desde o artesanato local ás famosas babouchas marroquinas. 

 

Aqui sentimos o seu pulsar, aqui a Medina ganha vida e cor. Sem dúvida que percorrer as suas ruas e perder-nos um pouco dará mais encanto ao passeio. De toda a nossa viagem este foi o local que mais gostei, ainda que também o mais turístico por certo mas longe do que realmente conhecemos como um ponto só para turistas.

E quando a Mesquita de Koutoubia espalha o sinal, o nosso vendedor de especiarias adia a transacção para se colocar de joelhos na sua loja e rezar virado para Meca, ao fundo ouvimos o som dos altifalantes que vêm do seu Minarete com a oração do dia.

IMEGDAL, MARROCOS

Hoje conhecemos…a remota aldeia de Imegdal em Marrocos.

Foi dificil para mim encontrá-la no mapa, enquanto os jipes nos levavam pelo Atlas nem sabíamos muito bem a nossa localização. Do pouco que percebi estávamos perto dos limites do Parque Natural de Toubkal que é também o ponto mais alto do Atlas.

O trajecto era sinuoso já que estávamos numa montanha, não havia separadores caso algum jipe se despistasse comeria a poeira rebolando por ali abaixo. Pequenas pirâmides de pedra marcavam o limite, o motorista que as pisasse iria ter esse destino fatal…medo, muito medo.

As povoações quase se confundem com a montanha tal é a cor da suas construções, as casas são simples e modestas, estamos longe da civilização onde estamos habituados a circular. A vida aqui é outra.

O nosso objectivo: melhorar as condições de vida desta remota aldeia.

Fomos distribuidos por vários projectos, uns ajudariam a arranjar a escola, outros a tratar da canalização que traria água potável ás casas da aldeia e outro muito curioso, era construir um pequeno muro que iria impedir as cabras de entrar casa adentro de um dos seus habitantes.

O trabalho era duro, partir pedra, escavar o chão, depois vêm os acabamentos, as pinturas e outras coisas.

Pelo meio, duas horas de descanso para comer, estávamos sujos e exaustos mas não desanimados. 

O sorriso dos locais traziam conforto, cozinharam-nos o almoço com muito carinho (mas com pouco sal…) e a juntar a esse agradecimento, cantaram e dançaram. A simpatia era a sua principal qualidade. 

Despedimo-nos de Imegdal cansados e esperava-nos uma outra aventura, a de cruzar o Atlas á noite para jantar e dançar.